quarta-feira, 25 de julho de 2012

25 de julho- Dia do escritor


A minha homenagem hoje vai para a minha tia Pata (Fátima Cerqueira) que me iniciou no mundo das letras contando estórias, história, emprestando livros, ensinando como cuidar de um livro emprestado, escrevendo, visitando bibliotecas,etc.
O prazer que tenho em ler é integralmente culpa da minha tia.
Flicts e o Pequeno Príncipe eram leituras quase que obrigatórias nas férias em Além Paraíba.
Hoje, Fátima Cerqueira é escritora.
E a responsável direta por animar os sonhos e reviver  memórias dela, meus e de todos os seus leitores.


 Um breve histórico da data:
No dia 25 de julho de 1960, após a realização do primeiro Festival do Escritor Brasileiro, promovido pela União Brasileira de Escritores – tendo João Peregrino Júnior na presidência, e Jorge Amado, como vice-presidente - foi criado o Dia do Escritor. Uma justa homenagem a todos aqueles que receberam o dom de transcrever em palavras, relatos, histórias, fantasias, sentimentos e vivências.

Um escritor pode nos fazer chorar, rir, ter medo. Um escritor pode nos fazer repensar, mudar de idéia. Um escritor nos leva a viver ou partilhar emoções e experiências, conhecendo lugares e costumes, sem que precisemos sair de casa ou do conforto da cabeceira.

Fundamentalmente, um bom escritor nos deixa profundamente tristes quando a história termina.

No Rio Grande do Sul, há uma riqueza de escritores, romancistas e historiadores, como Érico Veríssimo, Luiz Antônio de Assis Brasil, Lya Luft, Moacyr Scliar... E Mário Quintana, Luiz Coronel e tantos outros romancistas, cronistas, poetas, entre anônimos e conhecidos, todos de muitas palavras, com muita sensibilidade na hora de descrevê-las. 


(http://www2.portoalegre.rs.gov.br/pwdtcomemorativas/default.php?reg=18&p_secao=15)

Uma correção importantíssima ao texto; No Brasil há uma riqueza de escritores!
Qual o seu preferido? Escreva o nome de um escritor nacional e um estrangeiro

Um comentário:

  1. Oi Izabelle,

    difícil escrever um, não é mesmo? Parece que conforme a fase da vida nos identificamos mais com, ora com outro. Embora todos os bons sejam eternos.

    Atualmente eu citaria Guimarães Rosa e Baudelaire.

    Gostei do seu espaço, um achado e tanto.

    Doce final de tarde para você!

    ResponderExcluir

Passando por aqui, deixe seu comentário. Obrigada

Ocorreu um erro neste gadget